Voltar

24/09/2021

Instituto de Patologia de Passo Fundo é convidado para publicação histórica da área da saúde

Compartilhe:

O parasito Angiostrongylus costaricensis foi descrito pela primeira vez há 50 anos na Costa Rica, o país onde ocorreu o descobrimento deu origem ao nome da espécie. A doença é transmitida pela ingestão de alimentos crus, contaminados com as larvas provenientes de moluscos infectados.

 

O primeiro caso no Rio Grande do Sul de Angiostrongilíase Abdominal, nome da doença causada pelo parasito que se instala nas artérias do intestino humano, foi diagnosticado pelo fundador do Instituto de Patologia de Passo Fundo, Dr. Aventino Agostini, no ano de 1978.

 

Desde então, o IPPF, por meio da dedicação dos patologistas Aventino Agostini, Ana Maria Marcolan e Rubens Rodriguez e da bióloga Alessandra Morassutti, figura no cenário internacional científico e é referência no diagnóstico desta infecção, reunindo o maior número de casos diagnosticados anualmente.

 

Recentemente, o Instituto foi convidado a participar de uma publicação histórica alusiva aos 50 anos da descoberta, que compilou todas as informações clínicas e científicas obtidas nesse período.

 

A publicação pode ser acessada na íntegra acessando o link https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34294132.